Is That All?


Esta semana tive a oportunidade de ir à ante-estreia do filme "The Golden Compass", já aqui referido antes. Mais uma vez, um filme com a participação de Nicole Kidman e Daniel Craig. E mais uma vez não me fez querer vê-lo outra vez.
Mas passemos à sinopse, para quem ainda não conhece. O filme passa-se num mundo um pouco diferente daquilo que conhecemos. Existem universos paralelos, unidos por algo designado "Poeira", que permite a passagem entre eles. Neste mundo em particular, as pessoas têm almas fora do corpo, com forma de animais, chamados demónios (penso que é aqui que há a tal polémica com a Igreja...mas que gente sem nada que fazer...). A protagonista é uma pequena menina, Lyra Belacqua (Dakota Blue Richards), orfã, que vive, claro está, num orfanato, neste caso o Jordan College, onde é vigiada de perto pelo tio, Lord Asriel (Daniel Craig). Este é um explorador que se interessa muito pela busca desses mundos paralelos e da "poeira" mais propriamente. No entanto há quem se oponha a esta busca e essas pessoas constituem o Magisterium, que claro, tem a sua própria polícia. No meio de tudo isto há algo que pode mudar tudo e isso é o Aletiómetro, a bússola dourada de que fala o título do filme. Esta bússola diz a verdade sobre tudo, mas apenas a quem a puder ler, o que é muito raro. E quem é que haveria de a poder ler? Quem? Quem? Ora pois, a menina Lyra. Devido a isto e outras coisas vai ser perseguida pelo Magisterium, mais precisamente pela Mrs. Coulter (Nicole Kidman), o que a vai levar até a outras regiões do Mundo, onde existem muitas criaturas fantásticas. (espero não ter introduzido grandes spoilers, mas também para o filme que é...)
Resta dizer que o argumento deste filme foi baseado no primeiro livro de uma trilogia, escrita por Phillip Pullman (sim, ainda há mais dois filmes pela frente...)

E agora o que eu achei disto. A primeira palavra que me vem à cabeça é: confuso. A segunda: precipitado. Bem, já estão a ver que da junção destas duas coisas nada de bom advém. Eu nunca li os livros em que se baseia o argumento e nem os conhecia, mas à medida que ia vendo o filme fiquei com a ideia que deviam ser muito bons. A estória parece-me muito boa e interessante, com elementos do fantástico diferentes do que se tem visto nos últimos anos no cinema. No entanto, achei tudo um pouco precipitado, as personagens não eram desenvolvidas, as coisas passavam-se como quem estala um dedo, sem qualquer encadeamento coerente - pelo menos foi o que eu achei. Nem o suposto climax teve impacto. E ainda pensei no início: o filme pode até nem ser bom (sim, não estava com grandes expectativas) mas deve ter uma bela banda sonora. Bem enganada estava. Que coisa mais artificial e previsível - o mais pomposo que pode imaginar.
Mas nem tudo foi mau. Gostei da pequena protagonista. Parece-me que tem futuro, se for bem orientada - o que, já se sabe, é difícil acontecer. O elenco também é muito bom, tendo grandes nomes como os já referidos Nicole Kidman e Daniel Craig, mas também Sam Elliot, Christopher Lee, Derek Jacobi ou Eva Green e nas vozes Freddie Highmore, Ian McKellen, Ian McShane, Kristin Scott Thomas e Kathy Bates.

Para mim não vale nem o preço de 2.ª feira, but what do I know?

P.S.: Quando saía e comentava o meu desgosto em perder tempo com este filme, o meu acompanhante dizia que eu estava mas era parva porque era um filme para crianças e que por isso também não podia ser nada de muito elaborado. Acham que este argumento tem algum sentido?

P.S.2: É impressão minha ou a maioria dos trailers actualmente contam mais sobre o filme do que deviam. Uma pessoa a ver o trailer quase que escusa de gastar dinheiro no próprio filme, já se adivinha tudo...

08 dezembro 2007

9 Comments:

_Loot_ said...

Bem ao menos se foi ante estreia não deves ter pago bilhete :P

Sobre os trailers acontece ocasionalmente e irrita bastante por exemplo quando os trailers de filmes de comédia mostram as melhores piadas do filme. Normalmente isso acontece quando o filme não é grande coisa, acho eu.

SkyStorm said...

Por acaso tinha comentado isso com a minha esposa... o trailer mostra imensas cenas que não devia mostrar e boa parte delas do fim. E que realmente isso tem vindo a ser hábito. Coisa curiosa também é que a "Poeira" na tradução portuguesa do livro é "Pó". Mais um dos pequenos pormenores não tidos em conta nestas adaptações. Enfim, ainda não vi o filme... talvez o veja hoje. Ou com esta e outras criticas que já ando a ver vou mesmo ver o "Hitman" primeiro, que tem tido boas criticas.

Izzi said...

Pois é loot, ainda bem que não paguei nada, mas lá se foram 2 horas da minha vida. E ainda me estou a lembrar de outra ante-estreia memorável que me tirou 1:30 da minha vida que nunca mais voltará: sim eu fui ver o filme DOA - Dead or Alive...Shame on Me...LOL

Eu nunca li os livros Sky, mas ao ver o filme fiquei com uma bela impressão deles e muito provavelmente vou adquiri-los :)
O Hitman tem tido boas críticas?? Onde?? lol...eu só vejo críticas devastadoras...

SkyStorm said...

Agora é que me tramaste... lol
Soube hoje também que "A Bússola Dourada" nem sequer termina no mesmo sítio que o livro... ficam a faltar uns capítulos para a conclusão da história... :| Pelo menos foi o que me disseram, não confirmo porque, como já disse, não vi ainda.

Jedi Master Atomic said...

Eu não vi esse filme, nem pretendo ver. Não tem nada que me "puxe".

SkyStorm said...

"A Bússola Dourada"... simplesmente uma adaptação horrível.

Izzi said...

Presumo que já foste ver esta tristeza...

Então e o "Hitman"? Viste?

SkyStorm said...

Vi e recomendo. A adaptação está bastante boa, eu acho. Confesso que só joguei o primeiro da série, mas estava dentro das minhas expectativas. Aliás, de certo modo superou, já que há muito deixei de ir ver um filme com uma expectativa grande. Daí "A Bússola Dourada" me ter decepcionado. As expectativas eram baixas e mesmo assim revelou-se ainda pior.

MRC said...

A "Bússola Dourada" tem sido pessimamente acolhido por, na realidade, ser um filme péssimo. A ideia é fazer uma coisa tipo "Senhor dos Anéis" só que o resultado é do mais ordinário que possa haver. Faz lembrar aquela roupa de marca a fingir que se vendem nas feiras.
Quanto ao autor do livro, em várias entrevistas, confessou qual a verdadeira motivação que o levou a produzir as suas obras, a promoção do ateísmo. Porém, a ver por este filme, começou com o pé esquerdo...